Na reta final do prazo de aprovação, reforma política decepciona

Compartilhe!

Na reta final do prazo de aprovação, reforma política decepciona

Para o advogado Harrison Targino, especialista em direito eleitoral, as propostas discutidas no Congresso passam longe de pontos essenciais e restringem-se a temas de direto interesse dos atuais parlamentares

atualizado em 01/10/17 às 09h18 | Por Redação, com Adriana Rodrigues, do Jornal Correio da Paraíba

Reprodução/Gustavo Lima/Câmara dos Deputados

  • Sessão do Congresso Nacional

Sessão do Congresso Nacional

 

A menos de uma semana do prazo final para que qualquer alteração no sistema político e eleitoral brasileiro seja aprovada pelo Congresso Nacional (depois promulgada ou sancionada) para passar a valer para as eleições de 2018, a Reforma Política mais uma vez não se concretizou, decepcionando aos que apostavam que ela sairia do papel. 

Leia mais notícias de Política no Portal Correio

Para o advogado Harrison Targino, especialista em direito eleitoral, as propostas discutidas no Congresso passam longe de pontos essenciais e restringem-se a temas de direto interesse dos atuais parlamentares, como a derrotada tentativa de implantar o ‘distritão’ e favorecer os atuais deputados. 

“O melhor seria ter esperado e pautar as discussões para 2020, já que, por conta do artigo 16 da Constituição, que estabelece a anualidade eleitoral, as mudanças devem ser aprovadas até um ano antes da eleição”, disse o advogado.

De acordo com Harrison Targino, o que restou foi a possibilidade de aprovação do Fundo de Financiamento de Campanhas e, talvez ainda dê para votar o fim das coligações para as eleições de 2020 e a cláusula de barreira, que também não terá efeitos nas eleições do próximo ano. 

Segundo o juiz Breno Wanderley, do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB), a reforma política não se concretizou por conta da crise política do País. 

“Na verdade a reforma política foi abafada porque não havia espaço para ser pensada com a dedicação devida, porque os escândalos sucessivos e a ameaça constante de queda do presidente da República deixaram o momento importuno”, declarou o magistrado.

Data: 
domingo, Outubro 1, 2017 - 22:15
Compartilhe!

Comentários