Vereador desmente boatos e esclarece a população o que provocou os bloqueios nas contas da prefeitura Municipal de Desterro Paraíba

Compartilhe!

O vereador presidente da Câmara de Desterro no sertão paraibano, Paulo Vamberto Leite, participou de um programa de Rádio na cidade de Cacimbas na tarde desta sexta feira 05/01/2018, na ocasião, ele conversou com o apresentador, Olivaldo Gouveia e se defendeu de acusações que chamou de levianas feitas pela oposição, além de esclarecer os motivos que levou o bloqueio das contas do município.

O parlamentar se disse surpreso com a situação que ele acredita ser inédita no Brasil, onde o prefeito ganha as eleições e entrega para outra pessoa assumir. Vamberto classificou a situação de constrangedora ou até mesmo de brincadeira de mau gosto com a população e os servidores principalmente que deveriam ter recebido seus vencimentos desde o dia 28 de dezembro, quando o prefeito interino Valtécio Justo (Sinhor), estava prefeito até o dia 30 do mesmo mês.

No entendimento do vereador, o grupo político agiu de má fé, deixando a situação chegar a esse ponto, para forçar a Câmara a conceder mais uma licença irregular a Didi, sem amparo legal em nenhum laudo médico acompanhado de exames para beneficiar, Dílson de Almeida e Sinhor e não a população como estão pregando.

“É uma vergonha inventar doenças para se dar bem e ainda tentam jogar a culpa em minhas costas, eu não tenho essa prerrogativa para bloquear as contas do município, ele não assume a prefeitura por que não quer, mas para cuidar da rede de postos de combustíveis e ir festejar o réveillon nas praias de João Pessoa ele (Didi) está bom, como foi visto por muitas pessoas de Desterro”, disse o vereador.

“Essa manobra política, além de prejudicar os servidores, também é ruim para o município que está pagando altos valores indevidamente ao prefeito licenciado, onde quem deveria está pagando seus salários era a Previdência Social. Isso é uma picaretagem e malandragem política, se não quer assumir suas responsabilidades renuncia e entrega a prefeitura a Sinhor que está com vontade de trabalhar e fica de vez cuidando de suas empresas. Desabafou o presidente.

Vamberto falou ainda das inúmeras dificuldades financeiras enfrentadas pelo legislativo e revelou sua preocupação quanto ao município de Desterro que segundo ele, corre sérios riscos de enfrentar um colapso por conta da má gestão dos recursos públicos. De acordo com o parlamentar, em consulta ao Sagres em 2017, há uma dívida pendente no município, superior a 1,7 mi, ou seja, um milhão e setecentos mil reais, além de débitos com o Instituto de Previdência Própria- DesterroPrev, e empenhos de salários não pagos ao ex-vereador, Gilmar Nogueira.

Perguntado sobre o que estava sendo feito para contornar o problema, Vamberto enfatizou que está agindo dentro da legalidade e defende que o prefeito Didi assuma suas responsabilidades e ressaltou que tem consultado os órgãos competentes como: Ministério Público, Tribunal de Contas do Estado, setor jurídico, o próprio Banco do Brasil, a Câmara de vereadores com as demais instâncias superiores.

“Eles querem confundir o povo e jogar a culpa na presidência que não dispõe dessa prerrogativa para bloquear contas e isso será provado. Interessante que os funcionários que estão doentes, um professor, um gari ou qualquer outro funcionário, precisa se submeter a uma junta médica, o presidente do Brasil, Michel Temer se operou e está trabalhando e porque Didi se acha melhor do que os outros? Pra mim ele é igual a qualquer servidor”. Relatou o vereador.

E finalizou fazendo diversas críticas a tal atitude que culminou com o bloqueio das contas de Desterro: “Didi não quer largar o osso por que se assim o dizer tira o cabresto de Sinhor que não ficará mais preso a ele, essa manobra não é pensando no povo porque se fosse ele já teria ido a Teixeira e resolvido, o interesse é do grupo que fez acordo, já que Sinhor sempre teve vontade de ser prefeito, mas não tinha os votos, então patrocinou a campanha para Didi deixar ele em seu lugar.

O radialista, que mediou os trabalhos se colocou a disposição das outras partes citadas de forma democrática, caso eles desejem fazer uso do mesmo expediente disponibilizado para o pronunciamento do vereador Presidente, Paulo Vamberto.

Redação/ fotos da internet

Data: 
sexta-feira, Janeiro 5, 2018 - 16:45
Compartilhe!

Comentários